terça-feira, 13 de maio de 2014

Sessão Patchwork- Carta para uma mãe que fica em casa...

Reflexões pós "dia das mães"...Dei de cara com esse texto...Lindo...Profundamente verdadeiro...Texto extraído do blog The Healthy Doctor, da americana Carolyn, médica e mãe de dois filhos, em que ela escreve uma carta de uma mãe que trabalha fora para uma mãe que fica em casa, e vice-versa...A tradução veio do blog Macetes de Mãe... Confesso que me emocionei em muitos momentos...Ao mesmo tempo surgiu uma agradável sensação de sentimentos compartilhados...Na íntegra...
Imagem via Tumblr
"Algumas pessoas têm questionado o que você faz em casa o dia todo. Eu sei o que você faz. Eu sei porque eu sou mãe e porque, por um tempo, eu fiz isso também.
Eu sei que você faz um trabalho não remunerado, muitas vezes um trabalho ingrato, que começa no momento em que você acorda e nem termina quando você vai dormir. Eu sei que você trabalha aos finais de semana e durante a noite, sem que consiga identificar claramente quando acaba o seu dia ou a sua semana. Eu sei que as recompensas existem, mas nem sempre são muitas.
Eu sei que você raramente tem tempo para uma xícara de chá ou café. Eu sei que sua atenção está sempre dividida e que quase sempre inicia uma tarefa antes de concluir a outra. Eu sei que você, provavelmente, não tem tempo de descansar, mesmo estando em casa, a não ser que tenha somente um filho e que este ainda tire sonecas durante o dia.
Eu sei dos desafios que você tem que encarar diariamente, geralmente sem o apoio do seu companheiro ou de alguém que possa substituí-la. As birras, os acidentes na fase do desfralde, as batalhas travadas para alimentar os filhos, a comida jogada no chão, os lápis de cor na parede, a rivalidade entre irmãos, o bebê que parece nunca parar de chorar. Eu sei como o trabalho parece incessante, como um ciclo sem fim: você compra alimentos, prepara-os, cozinha-os, tenta alimentar seus filhos, limpa o chão, lava os pratos e repete isso de três em três horas.
Eu sei que você fantasia sobre ter uma hora para si mesma para almoçar em paz ou tirar um cochilo à tarde. Eu sei que, às vezes, você se questiona se tudo vale vale à pena mesmo e sente inveja das suas amigas que tem pausas para um café no meio do expediente. Eu sei que, às vezes, quando seu parceiro chega em casa à noite, após um dia de trabalho, ele quer colocar os pés para cima exatamente quando você precisa de um descanso e isso pode levá-lo às lágrimas.
Eu sei que você é mal vista por muitas pessoas que não percebem as dificuldades de se cuidar sozinha de crianças pequenas, o dia todo, e se referem a você como alguém que está curtindo a vida. Eles imaginam que você passa o seu dia tomando café enquanto seus filhos brincam em silêncio. Eu sei que você perdeu a sua independência financeira. Eu sei que você acha engraçado e, muitas vezes, fica irritada quando alguém proclama “TGIF” (Thanks to God It`s Friday – Graças a Deus é Sexta) porque para você todos os dias é a mesma coisa, não há sexta-feira nem pausa alguma no trabalho. Eu sei que muitas pessoas não entendem que você trabalha – você simplesmente trabalhar em uma profissão não remunerada e em casa.
Eu não sei como fazer tudo isso. Eu admiro sua paciência infinita, a sua capacidade de enfrentar cada dia com alegria e levar alegria para a vida de seus filhos mesmo quando eles a desafiam. Admiro a sua dedicação em ser uma presença constante na vida de seus filhos , mesmo que isso nem sempre seja uma tarefa fácil. Admiro a sua maneira de trabalhar sem esperar qualquer recompensa – sem promoções, sem fama, sem salário. Eu sei que você quer que seus filhos sintam-se importantes e amados você faz isso como ninguém.
Eu apenas queria que você soubesse que eu entendo. Nós duas somos mães. E eu sei."

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget